As estrias estão com os dias contados! Quem tem estria sabe bem como essas marcas são difíceis de tratar, ainda mais quando já estão brancas – o que significa que já cicatrizaram. “As estrias existem em duas formas: arroxeadas e brancas. As primeiras são recentes e mais fáceis de tratar, pois ainda não sofreram o processo completo de cicatrização. Quando esbranquiçadas, ficam muito mais difíceis de tratar, pois já perderam muito colágeno e a atrofia das fibras é intensa.

Os tratamentos existentes para as estrias costumam envolver agulhas e também podem ser realizados com laser ablativos, o que os tornam doloridos. Uma ótima opção indolor acaba de chegar ao Kurma: Estriderme – um método não invasivo que consegue eliminar cerca de 50% das marcas já na primeira sessão!

O que ele faz?

O tratamento age na reconstrução das fibras elásticas, estimulando os fibroblastos. Além disso, ativa a circulação e oxigenação local, melhorando a hidratação e firmeza da pele.

Como?

Por meio de ativos e tecnologia a vácuo, o tratamento age diretamente na estria de forma não invasiva e, por isso, indolor! Entre os ativos, estão a argila preta, que tem alto poder de regeneração; o nicatinato de metila, responsável pela ativação da circulação e oxigenação; ácidos mandélico, fiticolático e vitaminas B3, C e D, que agem na no processo de renovação epitelial da área. Para finalizar, é necessária a utilização de um creme regenerativo na pele por 15 dias.

Já a tecnologia a vácuo, realizada com o aparelho Dermotonus, causa um processo inflamatório na estria, agindo na regeneração da pele. “Nós utilizamos a vacuoterapia, pois ela age de forma profunda, porém indolor, e sem deixar hematomas na área”, explica Sueli.

A sessão dura 1h30min e o número necessário varia de acordo com a resposta de cada cliente. A média é de 3 a 5 sessões, realizadas a cada 21 dias.

 

Qual o resultado final?

Os resultados são incríveis e, segundo Sueli, podem melhorar em até 70% o aspecto das estrias, além de prevenir o aparecimento de novas. Nós observamos redução de cerca de 50% já na primeira sessão.

Existem contraindicações?

Sim. Diabéticos e mulheres grávidas ou lactantes não podem realizar o tratamento. Além disso, quem apresenta algum tipo de processo infeccioso ou dermatite tópica devem evitar o tratamento.  Pessoas com muita flacidez localizada também não devem investir no Estriderme.

Existem recomendações pré e pós-tratamento?

Quem se submeter ao novo tratamento, não poderá tomar sol durante as sessões e Sueli explica que a exposição solar pode provocar manchas na área. Banhos quentes e roupas muito apertadas em contato direto com a área também devem ser evitados.